segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

TODAS AS SUAS INFORMAÇÕES REVELADAS NO FACEBOOK


Você já parou para pensar que nunca antes na história da humanidade nós deixamos tantos rastros de nós mesmos tanto do plano físico como do online, onde criamos dezenas de perfis, contas, fotos, texto, entre outras coisas que permanecerão sabe-se lá até quando?

Imagine você o que já  tem de atividades registradas da sua no Facebook: curtidas, fotos, páginas, postagens, fotos em que foi marcado, fotos em que comentou, eventos em que compareceu, lugares que visitou, entre outras coisas que nem você lembra mais.

E se você pudesse ver tudo isso? Pois agora é possível. Com o site Stalk Face você poderá descobrir estas e outras informações de qualquer perfil.

A plataforma não viola nenhum direito do Facebook já que faz uso de recursos próprios da rede social lançados em 2013 e que os mais de 1 bilhão de usuários aceitaram quando clicaram  em “Eu li e estou de acordo com os termos do contrato”.

Como o nome do próprio site já diz, você pode usar a ferramenta tanto para o bem, como para o mal. Mas, por favor, não vá ser aquele(a) namorado(a) chato(a) que investiga tudo sobre o(a) parceiro(a). Isso não faz bem para ninguém.

O site é www.stalkface.com e após acessá-lo tudo o que você precisará fazer é colocar a URL do perfil ou de uma foto da pessoa. Em menos de 1 segundo uma série de links será exibida.

Clique para abrir os resultados dentro do próprio Facebook rapidamente. E como os recursos do site são todos baseados em ferramentas da rede social, você não precisa aceitar nem instalar nada. Veja como é fácil:

Acesse o site e insira a URL do perfil ou foto que deseja “consultar” e clique em “Stalk”. Em instantes você verá a lista do que é possível checar. E se você marcar a caixinha “Recent (NEW)” poderá filtrar as atividades deste ano (“This Year”), deste mês (“This Month”) ou desta semana (“This Week”).


Pronto. Agora é só escolher aquilo que deseja ver. Use com moderação. 


sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

PUNIÇÃO MAIS SEVERA PARA CRIMES DIGITAIS


O Brasil conta com uma norma criada exclusivamente para regular crimes digitais. A Lei 12.737/2012 especifica punições para infrações relacionadas ao meio eletrônico, como invadir computadores, violar dados de usuários ou “derrubar” sites. Projetos em discussão no Senado caracterizam crimes cometidos na internet e preveem penas mais severas nesses casos.

Entre eles está o PLS 436/2015, do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que altera o Código Penal para punir com maior rigor aqueles que praticarem o crime de vilipêndio a cadáver pela internet. Hoje esse tipo penal prevê detenção de um a três anos. O texto propõe que a pessoa que compartilhar ou publicar imagem, foto ou vídeo por meio da internet (inclusive aplicativos que permitam troca de dados, como por exemplo, WhatsApp) terá a pena aumentada em um a dois terços.

De acordo com o senador, o que motivou a apresentação da proposta foi a divulgação na internet de imagens do corpo do cantor Cristiano Araújo, que morreu em 2015 um acidente de carro. Segundo Alcolumbre, a mudança na lei se justifica pelo alcance e rapidez do compartilhamento de informações pelas redes sociais.

O agente que posta a foto ou vídeo multiplica a dor daqueles que têm seu ente querido, recém-falecido, exposto de maneira insensível e cruel. Não há escrúpulos para aquele que faz do cadáver objeto de promoção pessoal em mídias sociais”, justifica o senador.

O projeto está na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde aguarda designação de relator.

SEM RETRATAÇÃO

Outros crimes já previstos no Código Penal poderão ganhar especificações quando praticados pela internet. É o caso de constrangimento ilegal, ameaça, calúnia, injúria e difamação conforme consta de projeto de lei (PLS 481/2011) do senador Eduardo Amorim (PSC-SE), que também está em exame na CCJ.

A nova abordagem em relação a esses cinco delitos constava de duas propostas de Eduardo Amorim: os PLS 481 e 484, de 2011. O relator na Comissão de Ciência e Tecnologia, o então senador Sérgio Souza (PMDB-PR), optou por condensá-las em um substitutivo, acrescido de uma emenda própria e de outra apresentada por Amorim.

Entre outros pontos, o novo texto altera o artigo 143 do Código Penal, que livra de punição o ofensor que se retratar da calúnia ou difamação antes da sentença. A mudança proposta impediria a concessão do benefício quando esses crimes contra a honra e a vida privada das pessoas forem cometidos pela internet.

PERFIS FALSOS

O ato de esconder atrás de perfis falsos nas redes sociais para cometer crimes também pode estar com os dias contados. Inspirado em uma lei norte-americana que entrou em vigor em 2011, no estado da Califórnia, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) apresentou o PLS 101/2011 que criminaliza a criação de identidade ou perfil falsos na internet.

Conforme o texto, que altera o Código Penal, aquele que assumir ou criar identidade ou perfil falso em redes sociais ou sítios da internet, para obter vantagem indevida, em proveito próprio ou alheio, ou para causar dano a outra pessoa poderá ser condenado a 1 a 3 anos de reclusão.

O projeto, que está na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) ainda estabelece que o agente que assumir ou criar identidade ou perfil que diz respeito à outra pessoa, física ou jurídica, sem a sua autorização, poderá ser preso por até quatro anos.

USO DE DADOS PESSOAIS

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) apresentou projeto que inclui artigo sobre o uso de dados pessoais em redes sociais no Marco Civil da Internet. Conforme o PLS 347/2016, será necessário o consentimento do usuário antes que sejam feitos cadastros ou convites para participar de redes sociais. A matéria, assim como as anteriores, está na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Algumas empresas, para conquistar usuários, têm dado margem a abusos. É o caso, por exemplo, de algumas redes sociais que de forma não autorizada, acessam a lista de contatos de seus membros para atrair novos usuários, convidando integrantes dessa lista, em nome dos respectivos membros, a ingressarem na rede”, diz a senadora.

A senadora lembra que a proteção aos dados pessoais é um dos princípios que regem o uso da internet desde a edição em 2014 do Marco Civil, mas que foi abordado de forma genérica no texto da Lei que trata dos direitos e deveres dos usuários na rede mundial de computadores.


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

SAIBA COMO CRIAR SENHAS SEGURAS


Na era digital em que vivemos, precisamos de senhas para tudo. Para abrir nosso Facebook, para o nosso e-mail, para consultar a nossa conta bancária, etc. Portanto, quando temos tantas senhas diferentes, nós terminamos escolhendo aquelas que são fáceis de lembrar para manter a vida simples. Infelizmente, hackers e criminosos digitais sabem disso e usam esse conhecimento para roubar informações pessoais e até mesmo dinheiro.

Um estudo recente da SplashData (empresa de segurança online) coletou informações a partir de um grupo de vários hackers, e encontrou um número de senhas comumente usadas em seus atos criminosos, pois são usadas ​​por muitos internautas.

Se a sua senha começa com o tradicional 123456, 654321, o seu primeiro nome, seu sobrenome, seu aniversário, seu signo do zodíaco ou as primeiras letras do alfabeto você precisa alterar sua senha o mais rápido possível.

Para proteger suas informações, você precisa de uma senha forte, que contenha letras maiúsculas e minúsculas, números e pelo menos um símbolo (&%$), de preferência em ordem aleatória. A desvantagem de tal senha é que ela pode ser tão complicada que nós mesmos podemos ter problemas para lembrá-la, mas há duas maneiras de superar isso.

USE UM GERENCIADOR DE SENHAS
O gerenciador de senhas é um software que lembra da sua senha por você. Duas opções gratuitas são o KeePass (o site é em inglês, mas o aplicativo tem a opção de se escolher o idioma Português) e o LastPass (em inglês). Se você quiser outra opção, embora precise pagar um pouco, há o RoboForm (em português) e o Dashlane.

REFORCE SUA SENHA ANTIGA
A maneira mais fácil é apenas adicionar as informações acima à sua senha antiga, como letras maiúsculas e minúsculas, símbolos e algum número. Por exemplo, se a sua senha antiga era abacate, passe a usar Abacate1!

A segurança da sua vida digital é muito importante! Não se esqueça de alterar a senha de todos os seus sites e contas regularmente (pelo menos a cada 6 meses) e compartilhar este artigo com seus amigos e familiares!



quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

O QUE É DNS E COMO FUNCIONA


Domain Name System ou DNS é um sistema de gerenciamento de nomes hierárquico e distribuído para computadores, serviços ou qualquer recurso conectado à internet ou em uma rede privada. Ele é responsável por localizar e traduzir para números IP os endereços dos sites que digitamos nos navegadores. Em outras palavras é graças a ele que você pode digitar: www.ecuesta.com.br na barra de endereços do navegador, quando quer acessar o nosso site, ao invés de digitar uma sequência de números, pontos e letras.

MAS, COMO ASSIM?

Existem duas formas de acessar um serviço na web: pelo seu nome de domínio, o nosso famoso “www ”, exemplo: www.ecuesta.com.br, ou pelo endereço de IP dos servidores nos quais ele está hospedado. Uma das principais funções do DNS é facilitar a sua vida no momento em que você deseja visitar um site. Imagine que se cada vez que quisesse abrir uma página na internet, precisasse digitar no navegador a sequência de números correspondente a ela? Seria difícil guardar na memória todos estes números, não é mesmo? Pois o DNS faz o trabalho pesado por você, traduzindo as palavras que compõe a URL para o endereço IP do servidor. É possível pensar no DNS como uma espécie de lista telefônica, que liga cada site ao seu IP.

O endereço de IP é único em cada servidor e cada domínio leva a um IP específico. É em virtude disto que nunca encontramos dois sites diferentes, com URLs iguais. Se não fosse assim, diversos endereços diferentes poderiam encaminhar os internautas para o mesmo site.

Como dito antes, esta é uma das principais funções do DNS, mas não é a única. Ele também é um banco de dados hierárquico (embora limitado), que pode armazenar (quase) quaisquer tipos de dados, para praticamente qualquer finalidade.

Para que seja possível traduzir os endereços digitados em número de IP correspondente, existem diversos servidores de DNS espalhados pelo mundo. Para ser preciso são 13 e sem eles a internet não funcionaria. Destes, 10 estão localizados nos Estados Unidos da América, um na Ásia e dois na Europa. Visando aumentar a base instalada destes servidores, foram criadas réplicas localizadas por todo o mundo, inclusive no Brasil, desde 2003.

Devido ao tamanho da internet, armazenar todos os pares de domínio – endereço de IP em um único DNS seria inviável, por questões como confiabilidade, volume de tráfego, distância e manutenção do banco de dados. Imagina se o único servidor DNS falhasse, a internet estaria indisponível no mundo inteiro! Por isso não é possível confiar o serviço a apenas um. Ainda mais que ele teria que tratar os pedidos DNS do planeta inteiro! Certamente geraria um congestionamento do tráfego. Além disso, não teria como ele estar próximo a todas as pessoas, sendo que grande parte estaria muito distante, o que causaria atrasos. Também seria necessário atualizar o banco de dados com mais frequência, devido à enorme quantidade de informação armazenada nele.

SERVIDORES DE DNS QUE ACELERAM A NAVEGAÇÃO

Por padrão, utilizamos o serviço DNS oferecido pelo provedor de acesso ou pela empresa responsável por nossa conexão com a internet. Contudo não é necessário utilizá-lo. Muitas vezes eles ficam congestionados ou apresentam algum problema de segurança. Isto porque é um grande trabalho conseguir traduzir todos os nomes que o navegador manda em IPs por meio dos quais seja possível acessar o site. A velocidade de sua navegação poderá variar bastante, dependendo de qual servidor DNS a sua rede doméstica está configurada para usar.

Felizmente é possível optar por serviços que estão disponíveis no mercado e oferecem mais performance e segurança, como por exemplo o OpenDNS, Google Public DNS, Comodo Secure DNS e o Giga DNS. Utilizar um destes serviços, significa que a sua navegação pode ficar mais rápida e segura.

Além disso, muitos servidores DNS oferecem detecção de sites falsos ou infectados e até sistema de proteção parental, para bloquear sites de conteúdo adulto.

E você, utiliza algum destes servidores DNS? Qual? Conte para gente nos comentários!




segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

A CONEXÃO CAIU? CALMA, SUA BUSCA ESTÁ SALVA


Fazer com que quedas do sinal de internet do celular não prejudiquem buscas realizadas no Google. Essa é a solução que a gigante do mundo digital oferece na mais nova versão de seu aplicativo para o sistema operacional Android (desenvolvido e mantido pela própria companhia).

A empresa norte-americana informa que a partir de agora os usuários do app não precisam mais se preocupar com falhas de pesquisas provocadas por conexão ruim ou ausência total de sinal. O Google garante que, caso isso aconteça, entregará o resultado da busca assim que a internet for restabelecida.

Com essa mudança, os resultados da busca são salvos assim que forem recuperados, ainda que você perca sua conexão mais tarde ou entre em modo avião. Da próxima vez que você perder o serviço, sinta-se à vontade para enfileirar suas pesquisas, deixar o seu telefone longe e continuar com o seu dia”, afirma o gerente de produto de busca da companhia, Shekhar Sharad.

O Google ressalta que o novo recurso não afeta o consumo da bateria do celular e que ele impacta minimamente o uso de dados. “O aplicativo do Google funcionará nos bastidores para detectar quando a conexão estiver disponível novamente e te entregar os resultados da pesquisa assim que estiverem completos”, reforça o executivo.



segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

DATA CENTERS DO GOOGLE IRÃO USAR ENERGIA RENOVÁVEL


O Google resolveu que, a partir deste, irá converter todas as fontes de energia que alimentam os seus grandes servidores espalhados pelo mundo em energia totalmente renovável.

As empresas de tecnologia costumam ser grandes consumidoras de energia. Em 2015, por exemplo, o Google consumiu o equivalente ao que alimentou toda a cidade de San Francisco, na Califórnia. Assim, após perceber que os números podiam estar realmente altos, a empresa achou que o caminho mais sensato seria a sustentabilidade.

Por conta disso, o Google resolveu que, a partir deste, irá converter todas as fontes de energia que alimentam os seus grandes servidores espalhados pelo mundo em energia totalmente renovável.

O fato não significa que o Google irá usar apenas energia de fontes sustentáveis em todas as suas operações. A companhia irá continuar recebendo energia de uma companhia elétrica, porém, a energia gerada através de fontes solares e eólicas será ligada à rede elétrica, com isso fará que o Google consuma menos combustíveis fósseis.

"Somos o maior comprador corporativo de energia renovável do mundo", disse Joe Kava, vice-presidente sênior de infraestrutura técnica do Google. "É bom para a economia, bom para os negócios e bom para os nossos acionistas". 

Os valores da energia eólica não costumam variar muito, o que permite um melhor planejamento por parte do Google. Além disso, quanto mais a empresa comprar energia renovável, mais baratas as fontes e tornam com o tempo.

De acordo com o Google, nos últimos seis anos o preço da energia eólica caiu 60%. No mesmo período, a energia solar ficou 80% mais barata. Por isso, segundo Urs Hölzle, o vice-presidente de infraestrutura técnica da empresa, "energias renováveis estão se tornando a opção de menor custo cada vez mais rapidamente". 

A companhia pretende trabalhar com parques eólicos e células solares que estimulem o desenvolvimento na indústria. Assim, seguindo a lógica de que a energia renovável se torna mais barata ao longo do tempo, os planos do Google serão positivos tanto para a empresa quanto para o meio ambiente.




segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

ALLO, O MESSENGER INTELIGENTE DO GOOGLE

Concorrente do WhatsApp, aplicativo integra nova onda de tecnologias inteligentes oferecidos pela gigante de buscas

Há quatro meses, os executivos do Google afirmaram que a empresa tinha um novo foco em inteligência artificial. Nesta terça-feira, 20/09, a companhia lançou o Allo, um aplicativo inteligente de mensagens para iOS e Android. O software usa IA para ajudar os usuários a se expressarem, fazerem mais coisas e encontrarem informações dentro das suas conversas. Pois na sexta-feira, no fim do dia, a instalação do aplicativo foi liberada na Google Play junto com o Duo, o novo aplicativo do Google para videochamadas entre duas pessoas.

Para quem não lembra, o Allo foi revelado originalmente durante a conferência para desenvolvedores Google I/O, em maio. O aplicativo faz parte de uma nova onda de tecnologias, produtos inteligentes e serviços com IA que o Google espera que ajude a continuar à frente dos seus concorrentes.

 “Seja para planejar uma saída à noite ou apenas para colocar a conversa em dia, todos usamos serviços de mensagens para manter contato com amigos e familiares”, afirma o gerente de produtos do Google, Amit Fulay. “Mas muitas vezes precisamos apertar o pause nas nossas conversas – seja para verificar o status de um voo ou procurar por um novo restaurante. Por isso, criamos um aplicativo de mensagens que te ajuda a manter a conversa, ao fornecer assistência quando você precisa.

E como ultimamente, o Google tem focado em "machine learning", o Allo também não escapa de suas pretensões. O aplicativo recorre a ‘chatbots’ para entregar uma experiência mais personalizada aos usuários. Com ele, é possível fazer pesquisas na internet e até executar tarefas no Smartphone sem abandonar a janela do aplicativo.

O recurso Smart Reply aprende como você responde mensagens e permite que você envie textos ou emojis que você usa com maior frequência de forma automática. Assim, quanto mais você usar o Allo, mais sugestões inteligentes ele dará para suas conversas.

Significa que o Google Allo é o primeiro aplicativo de mensagens da gigante que usa Inteligência Artificial (IA) para aprender como os usuários gostam de se comunicar e expressar. Por exemplo, com um aplicativo inteligente de mensagens, se um amigo envia uma foto de um carro novo, o Allo te oferece diversas respostas possíveis, como “Lindo carro!” ou “Vamos dar uma volta”.

ASSISTANT É O PONTO ALTO

O Allo também inclui o Assistant, e pode oferecer sugestões como emojis para você enviar juntamente com respostas em uma conversa. Vai falar com os amigos sobre o grande jogo da semana? O Assistant pode buscar por números das equipes, pelas datas das próximas partidas, fotos dos jogadores e outras informações. O recurso será determinante para tornar o Allo um sucesso ou um fracasso.

O Assistant é uma espécie de ajudante pessoal para suas conversas. Digite apenas @google (mesmo que no meio de uma conversa) para ver o Google Search buscar aquela foto de um gato que você tirou na semana passada ou a última pontuação do seu time favorito ou mesmo informações de um voo e a resposta para uma questão matemática, além de procurar pela melhor rota para chegar a um determinado endereço ou mostrar restaurantes de um bairro.

Em resumo, qualquer coisa que você perguntaria ao Google Now, provavelmente você poderá recorrer ao mesmo pelo Google Assistant e mais.

Esse é um momento crítico em que estamos com a companhia. Apenas não é o bastante dar links para as pessoas. Precisamos ajudá-las a fazer as coisas no mundo real. Estivemos estabelecendo a base para isso por muitos e muitos anos”, explicou o CEO do Google, Sundar Pichai, durante o Google I/O, em maio.

Então o lançamento do Allo significa que o Google está a caminho do sucesso com o seu Road Map de Inteligência Artificial?

É muito importante para o Google, uma vez que a empresa apostou todo o seu futuro em Inteligência Artificial”, aponta o analista da Moor Inshights, Patrick Moorhead. “O CEO Sundar Pichai afirmou durante o I/O que a companhia não é mais uma empresa mobile, mas uma empresa de IA. O Allo precisa se sair realmente bem. Eles estão no palco aqui.

O analista do The Enderle Group, Rod Enderle, afirma que o Allo poderia ser um avanço para os serviços de mensagens, assim como para o Google. Mas que também traz alguns riscos.

 “A vantagem competitiva (do aplicativo) é a engine de Inteligência Artificial, mas a Inteligência Artificial é jovem e, por enquanto, mal treinada, como um bebê em um avião. No geral, mais irritante do que benéfico no momento. Você precisa começar em algum lugar”, diz.

Para o analista independente, Jeff Kagan, a combinação do Allo de app de mensagens com Inteligência Artificial é promissora.

aplicativo cria um novo playground fértil cheio de potencial de crescimento. Com isso dito, parece muito intrusivo. Para os usuários aproveitarem a Inteligência Artificial, eles precisam dar ao Google permissão para explorar seus aparelhos e desvendar todo contato, mensagem e informação pessoal das suas vidas.

Com as vantagens de uma tecnologia inteligente e as desvantagens do que alguns estão chamando de tecnologia intrusiva, o aplicativo não é um vencedor certeiro.

Isso é tanto uma mistura de coisas super legais quanto de tecnologia que invade a privacidade”, afirma Kagan, notando que mesmo assim pode vir a ser um aplicativo popular. “Os usuários de meia-idade lembram da privacidade e sentem falta dela. Mas os mais jovens nasceram neste mundo sem privacidade. Por isso, não se importam tanto.

OUTROS RECURSOS

O Allo ainda não criptografa mensagens de ponta a ponta por padrão, assim como o assistente do Google não consegue usar todas as coisas de aprendizado de máquina baseados na rede para ajudá-lo se você não souber o que você está falando.

Outro recurso interessante permite que mensagens se “auto-apagam” quando programadas. Por exemplo, se você quiser manter uma conversa privada, você poderá acionar o Modo Anônimo para habilitar a criptografia de ponta a ponta e controlar o quanto mensagens devem ser mantidas salvas antes de elas expirarem, de cinco segundos a uma semana.

O último aplicativo de bate-papo do Google também é exclusivo para mobile. Não há nenhuma previsão de que ele será disponibilizado para PC, Mac ou web. Algo que, de certa forma, é incomum para o Google. Até mesmo o WhatsApp tem sua versão para Windows, Mac e navegador.

E O DUO?

Durante o Google I/O, a empresa de Mountain View também revelou o aplicativo de videochamadas Duo, para conversas entre duas pessoas.

A ferramenta funciona como uma espécie de "FaceTime", aplicativo de videochamadas da Apple, porém funciona tanto no sistema operacional da concorrente quanto, claro, no Android.

aplicativo é baseado no número de telefone do usuário, o que exclui a necessidade de criar uma nova conta ou ter uma conta Google para realizar chamadas.

Segundo o Google, a ferramenta foi otimizada para que as conexões sejam mais rápidas quando comparadas com outros aplicativos, para manter áudio e vídeo em sincronia, mesmo em redes mais lentas, incluindo a 2G.

Da mesma forma que outros aplicativos de troca de mensagens, como WhatsApp e Telegram, todas chamadas são criptografadas de ponto a ponto, informou a companhia.

COMO FUNCIONA

Para realizar e receber chamadas, é preciso baixar o aplicativo na Google Store.  O lançamento está disponível para usuários do mundo todo e é compatível com smartphones Android Jelly Bean e superiores, e iPhones com iOS 9, e superiores.

O Duo não permite videochamadas em grupos, apenas entre duas pessoas, uma limitação que segundo o Google visa melhorar a qualidade das ligações.

Por ser multiplataforma, dois usuários que tenham aparelhos de diferentes sistemas operacionais ainda conseguirão ligar um para o outro.

aplicativo apresenta outro recurso interessante, inicialmente disponível apenas para aparelhos Android. Batizado de “Knock Knock”, com ele é possível ver um vídeo ao vivo da pessoa que está ligando, além da razão da chamada, antes de atender. O Knock Knock só funciona com pessoas da sua lista de contatos e também pode ser desativado.